Têm mais de 55 anos e uma vida de trabalho em cima. Hoje estão desempregados. São homens e mulheres comuns que o mercado de trabalho atirou para a margem.

Livro

FICHA TÉCNICA

A crise financeira internacional de 2008 desencadeou um novo tipo de mal-estar social e económico entre as sociedades europeias, rompendo o equilíbrio prevalecente nos sistemas de proteção social. Aos choques no mercado laboral, acrescentaram-se políticas destinadas a desvalorizar o trabalho, bem como a desregular as leis laborais e a negociação e contratação coletivas. Cada vez mais pessoas em idade ativa entraram em situações de precariedade ou de desemprego.

O livro A Miséria do Tempo – Vidas Suspensas pelo Desemprego, no qual o webdocumentário Demasiado novo para ser velho se inspira, faz parte de uma investigação mais vasta dedicada ao modo como esse mal-estar tem sido vivido, em Portugal, por grupos sociais fortemente afetados pela conjuntura económica. Desta vez, o tema é o desemprego, flagelo que em 2013 atingiu um máximo histórico de 17,5%.

Sem descurarem as estatísticas e as condições sociais objetivas, Renato Miguel do Carmo e Maria Madalena d’Avelar apresentam uma visão aprofundada, qualitativa, que destaca os modos subjetivos como as pessoas em situação de desemprego vivem e percecionam a sua realidade e o seu tempo. Em testemunhos diretos, ganham assim voz e visibilidade os atores sociais que estão normalmente arredados do debate público e da disputa política e social.